Uma vida sem escravizar os animais?

Sou questionado frequentemente a respeito de minhas preferências alimentares, se amo os animais porque não sou vegetariano ou vegano. E quando descobrem que não sou, muita gente se decepciona pois para estas pessoas quem ama os animais não se alimenta deles. Um romantismo compreensível de quem encontrou em sua maneira de se alimentar a forma de contribuir com a vida animal. Em determinadas épocas experimentei o ovo-lacto-vegetarianismo. Poderia até viver desta forma, buscando especialmente nos ovos a fonte de proteínas que meu organismo necessita, mas confesso que gosto de proteínas animais e de qualquer maneira continuaria a ser denominado como escravizador de animais por conta dos ovos e do leite. Não necessariamente todos os dias, mas gosto de um bife, um frango assado e um filé de peixe na manteiga. Sim, gosto e pronto, não vou mentir. Então, para tentar compreender melhor o porque deveria e se deveria me abster deste prazer que tenho em minha vida em nome da conservação, que é realmente o que mais me preocupa, tentei pensar melhor sobre o assunto, o que originou este curto ensaio.

 

 

 

Como é um assunto complexo e tem diversas facetas, resolvi abordar o assunto sob três diferentes perspectivas que são usualmente os pilares mais utilizados pelos adeptos desta filosofia. Chamo de filosofia e não de religião pois se considerar religião não há argumentos pois religião se baseia em fé e aí não há o que discutir. Cada um tem sua fé e acredita no que quiser e acabou a discussão. Existem até aquelas fés que podem levar ao fanatismo e com fanático não se perde tempo discutindo. Desta forma, ao entender que esta é uma FILOSOFIA de vida, vamos avaliar os sustentáculos que suportam esta atitude e discuti-las com argumentos válidos e não apenas de forma emotiva.

 

 

 

1)DEIXAR DE ALIMENTAR-SE DE PROTEÍNAS ANIMAIS É MAIS SAUDÁVEL?

 

Um dos fortes argumentos para deixar de se alimentar de carnes é que as carnes são produzidas com enormes cargas de anabolizantes ou outros fármacos que são transportados cumulativamente na carne fazendo mal à saúde.

Bem, considerando o crescimento exponencial da população, para suprir a gigantesca demanda de alimentos e viabilizá-la, os grãos, frutos e leguminosas também carregam gigantesca carga de defensivos agrícolas mais maléficos para os seres humanos do que os anabolizantes das carnes. Estudos associam até mesmo o câncer relacionado aos defensivos.

Ou seja, aquele tomate vermelho e aparentemente saudável apresenta mais risco à saúde que uma bisteca de boi. Isso sem considerar as deficiências minerais, aminoácidos e outras que a falta da proteína animal impõe e que deverá ser suplementada de forma medicamentosa. E por favor não me venham com plantações orgânicas de hortas de fundo de quintal. Estamos falando de sustentar 7 bilhões de pessoas e não 3 indivíduos que vivem em seu apartamento.

 

 

2)DEIXAR DE ALIMENTAR-SE DE PROTEÍNAS ANIMAIS É MAIS SUSTENTÁVEL?

 

Responsabilizam especialmente o gado por destruir a camada de ozônio no planeta através de seus gazes e esquecemos as gigantescas áreas que são desflorestadas para plantar a soja, a cana, o café e outros cultivos e que aumentam o carbono de nosso planeta. Não, definitivamente deixar de consumir proteína animal não é mais sustentável. Aliás, se tivéssemos que alimentar a humanidade somente com vegetais e legumes precisaríamos áreas muito maiores proporcionalmente usadas para obter a mesma quantidade de proteínas que a criação animal impõe. Isto quer dizer que alimentamos mais gente usando uma mesma área na pecuária do que cultivando. Fato. Além do que, os mesmos defensivos que protegem as plantações são aquelas que matam abelhas, vespas e outros insetos tão importantes para este planeta, mais importantes até do que os mamíferos que amamos e não queremos comer. Nosso planeta sem os insetos não será o mesmo já que são responsáveis pela polinização. Já um planeta sem os mamíferos não será tão catastrófico.

 

 

3)DEIXAR DE ALIMENTAR-SE DE PROTEÍNAS ANIMAIS É MAIS HUMANO?

 

Se existe uma razão para realmente considerar abrir mão de alimentar-se de proteína animal seria esta. A forma industrial como criamos e abatemos os animais na grande maioria dos casos não é nem um pouco simpática. Aves empilhadas em galpões dentro de gaiolas engordando, porcos transportados e abatidos sem qualquer compaixão, frigoríficos de gado com cheiro de morte. De fato, estas práticas realizadas de forma mecânica, com pouco ou nenhum respeito aos animais e que atendem a uma demanda crescente devido ao aumento incontrolável da população humana é condenável.

 

Algumas empresas do setor enxergaram esta condição e iniciam mudanças nas suas práticas dando aos animais uma condição de vida mais digna até o momento do abate que é realizado de forma mais humana, sem dor, sofrimento e stress.

Eu enxergo na criação de peixes a única indústria mais digna neste sentido e esta condição temos de estender a todos os outros segmentos. Um peixe vive sua vida de peixe nas lagoas e tanques durante toda sua vida de forma natural, fazendo o que peixes fazem em vida livre até o dia em que chega sua hora.  Mas viveu feliz (dentro da ótica de um peixe claro) até este dia. A hora de todos seres vivos chega em determinado momento, inclusive a minha e sua chegarão.  E até para nós seres humanos, partir pode ser trágico através de um acidente por exemplo ou sofredor como em caso de uma doença. A diferença é como vivemos esta vida, de forma plena até o dia de partirmos. Até mesmo animais selvagens e silvestres partem de forma dramática. Ou por acaso uma predação é suave e tranquila? Nada disso! Quem já viu uma predação (é só pesquisar na internet) verá que muitas vezes as presas são devoradas ainda vivas, com suas entranhas sendo arrancadas enquanto estão agonizando.

 

Desta forma, levando em consideração esta avaliação breve, o que eu faço é procurar diminuir meu consumo de proteínas animais para algumas vezes na semana e tentar procurar empresas que tenham este cuidado e respeito aos animais tanto na forma de criá-los como na forma de abatê-los. Eu sei que muitas pessoas que adotaram o posicionamento de não alimentar-se de proteínas animais vão encontrar outras razões para justificar sua atitude e eu respeito esta decisão. Assim como espero ser respeitado na minha decisão de continuar a ser o que sempre fomos: seres onívoros, até porque conservação e amor aos animais e à natureza não ocorre somente na hora de comer mas quando usamos energia elétrica (a matriz brasileira é hidroelétrica que mata muitos animais), compramos um celular (mineração mata animais), usamos veículos de transporte abastecidos por combustíveis (matando animais na sua exploração), ao alimentarmos nossos amados pets (que são carnívoros) e a lista não termina mais. O melhor para o planeta é que a espécie humana desapareça, enquanto isso fazemos o melhor que podemos para que possamos dormir à noite com menos culpa.

 

 

 

 

Please reload